Minas bate Praia Clube e conquista título do Campeonato Mineiro

Jogando fora de casa o Minas venceu o Praia Clube por 3 x 0 com parciais de 25/20, 25/14, 25/22 e conquistou o título do Campeonato Mineiro 2017, que não vinha desde 2003.

Agora, o time se dedica à disputa da Supercopa, que será na sexta-feira, dia 13/10, contra o Sesc-RJ, em Fortaleza, no Ceara. A estreia do Minas na Superliga será no dia 17, contra o São Caetano, na Arena Minas Tênis Clube.

Foto: Divulgação/MTC

 

Anúncios

Foi na garra! Brasil bate Turquia no tie-break e conquista segunda vitória no Grand Prix

Em partida disputada a Seleção Brasileira Feminina de Vôlei bateu a Turquia no tie-break e conquistou sua segunda vitória no Grand Prix 2017.

Nossa seleção deu show de bloqueios foram 19 pontos nesse fundamento, contra 13 da Turquia. Outro fundamento que funcionou bem na partida foi o saque, foram 12 pontos de saque do Brasil, contra apenas 5 das turcas.

A ponteira Rosamaria e a oposta Tandara, fundamental para virada do Brasil no quinto set, foram as maiores pontuadoras da partida com 20 pontos cada.

O Brasil encerrou a primeira semana do Grand Prix com 2 vitórias, 1 derrotas e 5 pontos conquistados, já a Turquia com 1 vitória, 2 derrotas e 4 pontos conquistados.

Turquia 2 x 3 Brasil (26 – 24, 17 – 25, 18 – 25, 25 – 22, 13 – 15).

TUR – Yildirim 17, Baladin 15, Polen 12, Kalac 9, Ismailoglu 8, Akman 6, Boz 4, Akin 2, Alikaya 1, Babat 1.

BRA – Tandara 20, Rosamaria 20, Bia 13, Drussyla 13, Adenizia 9, Roberta 9, Natália 3, Carol 1.

Foto: Divulgação / FIVB.

Sérvia, Turquia e Bélgica definem equipes para primeira semana do Grand Prix

Os adversários do Brasil no Grand Prix 2017, já definiram suas equipes  para primeira semana da competição.

A Sérvia que venceu a Yeltsin Cup 2017, terá o retorno da oposta Tijana Boskovic. A lista conta com 14 jogadoras são elas:

Levantadoras: Ana Antonijevic e Bojana Zivkovic.

Opostas: Tijana Boskovic, Sanja Malagurski e Ana Bjelica.

Ponteiras: Brankica Mihajlovic, Tijana Malesevic, Bjanka Busa e Bojana Milenkovic.

Centrais: Milena Rasic, Jovana Stevanovic e Stefana Veljkovic.

Líberos: Jelena Blagojevic e Teodora Pusic.

 

A Turquia vem com seleção semelhante a que jogou a Yeltsin Cup 2017. Contará com jovens talentos e deixou de fora suas principais jogadoras. A lista conta com 18 atletas, são elas:

Levantadoras: Çağla Akın, Gamze Alikaya e Ezgi Dilik.

Opostas: Polen Uslupehlivan, Melis Durul e Meryem Boz.

Ponteiras: Fatma Yıldırım, Meliha İsmailoğlu, Şeyma Ercan e Hande Baladın.

Centrais: Kübra Çalışkan Akman, Dicle Nur Babat, Aslı Kalaç, Özgenur Yurtdagülen e Beyza Arıcı.

Líberos: Hatice Gizem Örge, Simge Şebnem Aköz e Melis Yılmaz.

 

A Bélgica vem desfalcada e não contará com Van Hecke, Heyrman, Bland e Courtois. A lista da primeira semana conta com 14 nomes, são elas:

Levantadoras:  Ilka Van de Vyver, Jasmien Biebauw e Elise Van Sas.

Oposta: Kaja Grobelna.

Ponteiras: Charlotte Leys, Britt Herbots, Dominika Strumilo, Celine Van Gestel e Jodie Guilliam.

Centrais: Freya Aelbrecht,  Marlies Janssens e Nathalie Lemmens.

Líberos: Amber De Tant e  Lisa Neyt.

Foto: ossrb.org

 

Renan Dal Zotto faz primeira convocação no comando da Seleção Masculina

O técnico Renan Dal Zotto anunciou hoje a lista dos 18 jogadores convocados para defender a Seleção Masculina de Vôlei na Liga Mundial.

Novidades são as convocações do levantador Murilo Radke, do central Otávio e do líbero Thales.

Lista completa:

Levantadores: Bruno, Raphael e Murilo Radke.

Opostos: Wallace, Evandro e Renan.

Ponteiros: Lucarelli, Lipe, Maurício Borges, Douglas Souza, Lucas Loh Rodriguinho.

Centrais: Lucão, Éder, Maurício Souza e Otávio.

Líberos: Tiago Brendle e Thales.

Foto: Divulgação / CBV.

 

 

Goncharova: Por que ir para Turquia ou em outro lugar, onde tudo é estranho e incompreensível?

A oposta Goncharova concedeu entrevista ao site russo sport-express.ru e falou sobre a temporada 2016/2017, sobre Champions League, Mundial de Clubes, Seleção e sobre o futuro.

Questionada se alegria de vencer a Liga Russa nessa temporada foi maior do que na temporada passada, a jogadora respondeu:

Não posso concordar. Qualquer vitória é brilhante. Ao mesmo tempo, é muito legal que neste ano vencemos as séries decisivas sobre o Kazan. Na última temporada, depois de terem perdido na semi-final e nós ganhamos  o ouro contra o Uralochka.

Você chegou à final da Copa da Rússia e da “Final Four” da Liga dos Campeões, venceu o Super League. Alegria plena nessa temporada você tem, penso eu, ou não?

É isso mesmo. Poderíamos ganhar a Copa da Rússia. Fiquei chateada com atuação na Liga dos Campeões. Sim, o objetivo era entrar na “Final Four”, conseguimos chegar até lá. Eramos capazes de mostrar um jogo muito melhor em Treviso. Mas nós não conseguimos.

Ganharam convite para o Mundial de Clubes, de 09-14 maio e será realizada em Kobe, no Japão, é alegria ou está ansiosa para terminar esta temporada difícil?

Estamos acostumados, as férias que temos é sempre muito pequena. Essa é a vida de atleta. Mas Kobe é interessante. Vamos enfrentar o clube turco que foi campeão na “Final Four” da Liga dos Campeões, a equipe japonesa, a brasileira. Nós definitivamente vamos obter uma boa experiência. E por sua vez, vamos tentar mostrar um bom voleibol. Não vai ser fácil, mas vamos ver o que podemos fazer. Talvez tenhamos sorte no Japão, e possamos sorrir mais.

Você gosta de Francesco Totti, a sua vida vai ser fiel a um clube? Ou não exclui a opção de transferência para uma equipe estrangeira?

Certamente você não pode dizer sobre o futuro. Mas até agora eu me sinto muito bem em Moscou. Tem uma grande gestão o clube, onde eu realmente me sinto em casa. Não vejo razão para mudar alguma coisa. Por que ir para Turquia ou outro lugar, onde tudo é estranho e incompreensível? Por enquanto no exterior, eu não vou.

Muitos daqueles que jogaram no exterior, dizem que é realmente uma experiência muito gratificante, um dia deve ser feito. Vamos ver. O Futuro é uma coisa imprevisível – acrescentou Goncharova.

A temporada pós-olímpico é realmente mais difícil?

Eu não posso dizer que é particularmente difícil. Outra coisa é que o nosso campeonato em si é um torneio difícil. Uma série de viagens. Há momentos em que não temos tempo nem para treinar. As pessoas que são responsáveis ​​pela elaboração do calendário, devem entender que é muito difícil e nós também devemos descansar às vezes. E mesmo agora, após o Mundial de Clubes, algumas vão imediatamente para a equipe nacional. Sem qualquer descanso.

Este ano, o Grand Prix você perder?

Sim.

Você já falou Vladimir Kuzyutkin?

Falamos com Vladimir e eu disse a ele que preciso descansar. Jogar uma temporada inteira sem interrupção – não é fácil. Leva tempo para tratar feridas, relaxar. O treinador ouviu a todos, e, em seguida, disse que, após a seleção para a Copa do Mundo de 2018, está pronto para  deixar-me ir de férias. Por isso eu sou muito grata a ele.

Foto: Alexander Fedorov

Fonte: sport-express.ru

 

Arlene Xavier anuncia aposentadoria

A líbero Arlene Xavier anunciou aposentadoria das quadras aos 48 anos. A atleta começou a carreira jogando pelo Minas Tênis Clube, na década de 90, onde conquistou o título brasileiro e o sul-americano de 1993. Na temporada seguinte foi criada a Superliga, em que Arlene disputou pelo extinto BCN Guarujá. O último nacional disputado pela atleta foi com São José dos Campos, na temporada 2014/15.

Defendendo clubes brasileiros, Arlene conquistou três Superligas (Flamengo 2000/01 e Osasco 2002/03 e 2004/05), além de dois vice-campeonatos (Osasco 2001/02 e Minas 2003/04). A atleta tem também cinco títulos paulistas (todos por Osasco), duas Copas Brasil (Osasco e Pinheiros), dois Cariocas (Flamengo), um mineiro (Praia Clube) e um sul-americano (Minas). Foi eleita a melhor defensora de três edições da Superliga, melhor líbero da edição 2001/02 e melhor bloqueio da edição 1996/97.

Arlene foi convocada pela primeira vez para a seleção brasileira em 2002, quando passou a atuar como líbero – antes era central. Em 2003, foi vice-campeã da Copa do Mundo, no Japão, e eleita a melhor líbero da competição. No ano seguinte, ficou com a 4ª posição nos Jogos Olímpicos de Atenas. Foi bicampeã do Grand Prix (2004 e 2006), sendo eleita a melhor líbero da competição na segunda conquista. Arlene ainda foi campeão da Copa Pan-Americana em 2006, em que também figurou como a melhor líbero.

Foto: : Alexandre Arruda / CBV

Vitória do Vakifbank sobre o Volero Zurich na primeira partida dos Playoffs 6 da Champions League

Jogando fora de casa o Vakifbank venceu Volero Zurich na primeira partida dos Playoffs 6 da Champions League Feminina 2016/2017.

A oposta holandesa Sloetjes foi a maior pontuadora da partida com 26 pontos, sendo 23 de ataques e 3 bloqueios. Rykhliuk foi o destaque do Volero com 24 pontos, sendo 23 de ataques e 1 ace.

Volero Zurich 1 x 3 Vakifbank (25-15, 20-25, 17-25, 21-25).

VOL – Rykhliuk 24, Akirandewo 13, Carcases 9, Zivkovic 8, Orlova 7, Rabadzhieva 4.

VAK – Sloetjes 26, Zhu 13, Hill 12, Rasic 9, Akman 6, Aydemir 3, Kirdar 1.

Foto: Divulgação / CEV.