Sérvia, Turquia e Bélgica definem equipes para primeira semana do Grand Prix

Os adversários do Brasil no Grand Prix 2017, já definiram suas equipes  para primeira semana da competição.

A Sérvia que venceu a Yeltsin Cup 2017, terá o retorno da oposta Tijana Boskovic. A lista conta com 14 jogadoras são elas:

Levantadoras: Ana Antonijevic e Bojana Zivkovic.

Opostas: Tijana Boskovic, Sanja Malagurski e Ana Bjelica.

Ponteiras: Brankica Mihajlovic, Tijana Malesevic, Bjanka Busa e Bojana Milenkovic.

Centrais: Milena Rasic, Jovana Stevanovic e Stefana Veljkovic.

Líberos: Jelena Blagojevic e Teodora Pusic.

 

A Turquia vem com seleção semelhante a que jogou a Yeltsin Cup 2017. Contará com jovens talentos e deixou de fora suas principais jogadoras. A lista conta com 18 atletas, são elas:

Levantadoras: Çağla Akın, Gamze Alikaya e Ezgi Dilik.

Opostas: Polen Uslupehlivan, Melis Durul e Meryem Boz.

Ponteiras: Fatma Yıldırım, Meliha İsmailoğlu, Şeyma Ercan e Hande Baladın.

Centrais: Kübra Çalışkan Akman, Dicle Nur Babat, Aslı Kalaç, Özgenur Yurtdagülen e Beyza Arıcı.

Líberos: Hatice Gizem Örge, Simge Şebnem Aköz e Melis Yılmaz.

 

A Bélgica vem desfalcada e não contará com Van Hecke, Heyrman, Bland e Courtois. A lista da primeira semana conta com 14 nomes, são elas:

Levantadoras:  Ilka Van de Vyver, Jasmien Biebauw e Elise Van Sas.

Oposta: Kaja Grobelna.

Ponteiras: Charlotte Leys, Britt Herbots, Dominika Strumilo, Celine Van Gestel e Jodie Guilliam.

Centrais: Freya Aelbrecht,  Marlies Janssens e Nathalie Lemmens.

Líberos: Amber De Tant e  Lisa Neyt.

Foto: ossrb.org

 

Anúncios

Renan Dal Zotto faz primeira convocação no comando da Seleção Masculina

O técnico Renan Dal Zotto anunciou hoje a lista dos 18 jogadores convocados para defender a Seleção Masculina de Vôlei na Liga Mundial.

Novidades são as convocações do levantador Murilo Radke, do central Otávio e do líbero Thales.

Lista completa:

Levantadores: Bruno, Raphael e Murilo Radke.

Opostos: Wallace, Evandro e Renan.

Ponteiros: Lucarelli, Lipe, Maurício Borges, Douglas Souza, Lucas Loh Rodriguinho.

Centrais: Lucão, Éder, Maurício Souza e Otávio.

Líberos: Tiago Brendle e Thales.

Foto: Divulgação / CBV.

 

 

Goncharova: Por que ir para Turquia ou em outro lugar, onde tudo é estranho e incompreensível?

A oposta Goncharova concedeu entrevista ao site russo sport-express.ru e falou sobre a temporada 2016/2017, sobre Champions League, Mundial de Clubes, Seleção e sobre o futuro.

Questionada se alegria de vencer a Liga Russa nessa temporada foi maior do que na temporada passada, a jogadora respondeu:

Não posso concordar. Qualquer vitória é brilhante. Ao mesmo tempo, é muito legal que neste ano vencemos as séries decisivas sobre o Kazan. Na última temporada, depois de terem perdido na semi-final e nós ganhamos  o ouro contra o Uralochka.

Você chegou à final da Copa da Rússia e da “Final Four” da Liga dos Campeões, venceu o Super League. Alegria plena nessa temporada você tem, penso eu, ou não?

É isso mesmo. Poderíamos ganhar a Copa da Rússia. Fiquei chateada com atuação na Liga dos Campeões. Sim, o objetivo era entrar na “Final Four”, conseguimos chegar até lá. Eramos capazes de mostrar um jogo muito melhor em Treviso. Mas nós não conseguimos.

Ganharam convite para o Mundial de Clubes, de 09-14 maio e será realizada em Kobe, no Japão, é alegria ou está ansiosa para terminar esta temporada difícil?

Estamos acostumados, as férias que temos é sempre muito pequena. Essa é a vida de atleta. Mas Kobe é interessante. Vamos enfrentar o clube turco que foi campeão na “Final Four” da Liga dos Campeões, a equipe japonesa, a brasileira. Nós definitivamente vamos obter uma boa experiência. E por sua vez, vamos tentar mostrar um bom voleibol. Não vai ser fácil, mas vamos ver o que podemos fazer. Talvez tenhamos sorte no Japão, e possamos sorrir mais.

Você gosta de Francesco Totti, a sua vida vai ser fiel a um clube? Ou não exclui a opção de transferência para uma equipe estrangeira?

Certamente você não pode dizer sobre o futuro. Mas até agora eu me sinto muito bem em Moscou. Tem uma grande gestão o clube, onde eu realmente me sinto em casa. Não vejo razão para mudar alguma coisa. Por que ir para Turquia ou outro lugar, onde tudo é estranho e incompreensível? Por enquanto no exterior, eu não vou.

Muitos daqueles que jogaram no exterior, dizem que é realmente uma experiência muito gratificante, um dia deve ser feito. Vamos ver. O Futuro é uma coisa imprevisível – acrescentou Goncharova.

A temporada pós-olímpico é realmente mais difícil?

Eu não posso dizer que é particularmente difícil. Outra coisa é que o nosso campeonato em si é um torneio difícil. Uma série de viagens. Há momentos em que não temos tempo nem para treinar. As pessoas que são responsáveis ​​pela elaboração do calendário, devem entender que é muito difícil e nós também devemos descansar às vezes. E mesmo agora, após o Mundial de Clubes, algumas vão imediatamente para a equipe nacional. Sem qualquer descanso.

Este ano, o Grand Prix você perder?

Sim.

Você já falou Vladimir Kuzyutkin?

Falamos com Vladimir e eu disse a ele que preciso descansar. Jogar uma temporada inteira sem interrupção – não é fácil. Leva tempo para tratar feridas, relaxar. O treinador ouviu a todos, e, em seguida, disse que, após a seleção para a Copa do Mundo de 2018, está pronto para  deixar-me ir de férias. Por isso eu sou muito grata a ele.

Foto: Alexander Fedorov

Fonte: sport-express.ru

 

Arlene Xavier anuncia aposentadoria

A líbero Arlene Xavier anunciou aposentadoria das quadras aos 48 anos. A atleta começou a carreira jogando pelo Minas Tênis Clube, na década de 90, onde conquistou o título brasileiro e o sul-americano de 1993. Na temporada seguinte foi criada a Superliga, em que Arlene disputou pelo extinto BCN Guarujá. O último nacional disputado pela atleta foi com São José dos Campos, na temporada 2014/15.

Defendendo clubes brasileiros, Arlene conquistou três Superligas (Flamengo 2000/01 e Osasco 2002/03 e 2004/05), além de dois vice-campeonatos (Osasco 2001/02 e Minas 2003/04). A atleta tem também cinco títulos paulistas (todos por Osasco), duas Copas Brasil (Osasco e Pinheiros), dois Cariocas (Flamengo), um mineiro (Praia Clube) e um sul-americano (Minas). Foi eleita a melhor defensora de três edições da Superliga, melhor líbero da edição 2001/02 e melhor bloqueio da edição 1996/97.

Arlene foi convocada pela primeira vez para a seleção brasileira em 2002, quando passou a atuar como líbero – antes era central. Em 2003, foi vice-campeã da Copa do Mundo, no Japão, e eleita a melhor líbero da competição. No ano seguinte, ficou com a 4ª posição nos Jogos Olímpicos de Atenas. Foi bicampeã do Grand Prix (2004 e 2006), sendo eleita a melhor líbero da competição na segunda conquista. Arlene ainda foi campeão da Copa Pan-Americana em 2006, em que também figurou como a melhor líbero.

Foto: : Alexandre Arruda / CBV

Vitória do Vakifbank sobre o Volero Zurich na primeira partida dos Playoffs 6 da Champions League

Jogando fora de casa o Vakifbank venceu Volero Zurich na primeira partida dos Playoffs 6 da Champions League Feminina 2016/2017.

A oposta holandesa Sloetjes foi a maior pontuadora da partida com 26 pontos, sendo 23 de ataques e 3 bloqueios. Rykhliuk foi o destaque do Volero com 24 pontos, sendo 23 de ataques e 1 ace.

Volero Zurich 1 x 3 Vakifbank (25-15, 20-25, 17-25, 21-25).

VOL – Rykhliuk 24, Akirandewo 13, Carcases 9, Zivkovic 8, Orlova 7, Rabadzhieva 4.

VAK – Sloetjes 26, Zhu 13, Hill 12, Rasic 9, Akman 6, Aydemir 3, Kirdar 1.

Foto: Divulgação / CEV.

Ángela Leyva: “Tenho interesse em jogar no Campeonato Chinês”

Em entrevista a um site de voleibol peruano, a ponteira Ángela Leyva falou sobre o futuro e onde gostaria de jogar. A grande estrela do voleibol do Peru, falou que tem interesse em jogar na Liga Chinesa.

“Estou calma no meu clube. Deus vai me mandar para o exterior no melhor tempo possível. Eu não posso e não devo me desesperar. Tenho um contrato de cinco anos com San Martín e devo respeitá-lo. Vou ser livre no final da temporada 2017/2018. Eu quero jogar bem, sem lesões. Tenho muitas propostas e é apenas uma questão de sentar e falar. Estou muito interessada no campeonato chinês, que é bastante rentável.  Quem sabe também na Turquia e Itália, que são talvez as ligas mais importantes do mundo” , disse Leyva .

Foto: peru.com

Fontes: voleibol.pe / worldofvolley.com

Vakifbank, Fenerbahçe e Eczacibasi vencem mais uma na Liga Turca

Pela penúltima rodada da fase de classificação da Liga Turca, o Vakifbank venceu e segue firme na liderança, seguido pelo vice-líder Fenerbahçe. O terceiro colocado Eczacibasi jogando fora de casa também venceu. Vamos aos resultados de hoje.

VakifBank 3 x 0 Halkbank (25-14, 25-13, 25-19).

VAK – Sloetjes 14, Rasic 12, Kirdar 10, Caliskan 7, Hill 6.

HAL – Ural 8, Tutku 6, Grigoreva 6, Askan 6, Durukan 5.

Seramiksan 1 x 3 Fenerbahçe (16-25, 25-19, 23-25, 20-25).

SER – Boz 19, Nizetich 11, Krsmanovic 10, Selime 10, Ceyda 8.

FEN – Natália 21, Kim 18, Erdem 14, Toksoy 5, Polen 5, Grothues 4.

Sariyer 0 x 3 Eczacibasi (17-25, 22-25, 16-25).

SAR – Erdem 13, Hazal 9, Rida 5, Vantasever 3, Melike 2.

ECZ- Boskovic 12, Arisan 11, Larson 8, Baladin 8, Adams 7, Kilicli 3, Demir 3, Ognjenovic 3.

Nilüfer 3 x 1 Idmanocagi (25-23, 25-19, 25-19).

NIL – Aktas 15, Bytsenko 14, Kozlova 11, I.Trushkina 10, Erkul 5, Duygu 3.

IDM – E.Skowronska 12, Kicka 12, R.Sanchez 8, Nesve 6, Guler 5.

Bursa 3 x 0 Besiktas (25-14, 25-13, 25-19).

BUR – Horvath 14, Joycinha 11, Soroglu 8, Yildirim 7, Prokopic 5, Kirdar 5.

BES – Van Hecke 7, Guveli 6, Gunes 4, Senoglu 4, Bilge 3, Rousseaux 1.

19/03  – Galatasaray x Çanakkale.

CLASSIFICAÇÃO:

Vakifbank – 61,08

Fenerbahçe – 53,36

Eczacibasi – 51,87

Galatasaray – 40,2

Bursa – 38,08

Çanakkale – 31,87

Halbank – 29,05

Besiktas – 27,72

Seramiksan – 19,87

Nilufer – 12,71

Idmanocagi – 12,45

Sariyer – 12,3.

Foto: facebook.com/VakifBankSK.